Retalhos e Devaneios

Retalhos e Devaneios

Páginas

segunda-feira, 23 de junho de 2014

incoerências.

De onde vem nossa capacidade de medir o sentimento e dor dos outros?
De onde vem nossa soberba capaz de julgar o comportamento alheio? 
De onde vem nossa incapacidade de sensibilizarmo-nos com as dificuldades do semelhante?
De onde vem essa visão de que o outro é só um outro, que nos é alheio e nada semelhante?
Até cairmos no mesmo abismo, dando de cara com aquilo que ignoramos duramente e que agora não pertence ao outro, ele já nos é, e agora entendemos, não o outro, mas a nós. 

domingo, 22 de junho de 2014

FIM!

Não sofro pelo o que tu fizeste, mas pelo que deixaste de fazer. 
Não pelo que tu disseste, mas pelo que deixaste de dizer.
Não pelo que nós perdemos, mas pelo que deixamos de ganhar. 
Não pelo que nós choramos, mas pelo que deixamos de sorrir. 
Não pelo fim, mas pelo infinito que deixamos de acreditar. 


domingo, 15 de junho de 2014

devaneio, que faz tempo....

"Roda mundo, roda-gigante
Rodamoinho, roda pião
O tempo rodou num instante
Nas voltas do meu coração"

Chico Buarque do meu coração