Retalhos e Devaneios

Retalhos e Devaneios

Páginas

segunda-feira, 27 de maio de 2013

"Diga-me, como vai tua vida?
Tem tido tempo para o café com teu amigo? Tem chorado recentemente? Alguém ofereceu o ombro? Quanto tempo alguém em vez de dizer: Tudo bem? disse-lhe: Como tu estás? Precisa de algo? Diga-me o que fez no fim de semana? E durante a semana? Tu tens dormido bem? A quanto tempo não tem flores nos teus vasos? E cheiro de bolo na tua cozinha? E risadas exaltadas pela casa? Diga-me o trecho do livro que te intrigou? Se conseguiu dizer o que sente. Revelou o que de belo tem dentro de ti, ou guardou para um momento mais oportuno? Conte-me se no final da ligação para tua mãe conseguiu dizer que a amava. Conte-me se quando não aguentava mais, teve a coragem de deixar para amanhã. Percebeu que aquele ao teu lado cortou o cabelo? Diga-me, tinha lugar para sentar hoje na volta do trem? E quanto tempo ficou na br? No que você pensou? O que ouviu? Aliás ainda ouves algo? Preocupa-te em ouvir aquele ao teu lado? Dialogas com o outro, ou fazes longos discursos de si mesmo, para si mesmo? Qual foi a última pergunta que fez para ti mesmo? ........................hunnnnnn...... fica tranquilo(a)..... eu sei, eu sei...... "

domingo, 26 de maio de 2013

Minhas crises são intermináveis, 
Crise pré trinta, 
Crise dos trinta, 
Crise do pós trinta, 
Crise do casamento, 
Crise do fim do casamento, 
Crise da profissão, 
Crise de não aceitação, 
Crise de família, 
Crise financeira, 
Crise de prisão, 
Crise de abandono, 
Crise de asma, 
Crise de cansaço, 
Crise de raiva, 
Crise de choro, 
Crise de estresse, 
Crise de falta de tempo, 
Crise existencial, 
Elas se renovam e se multiplicam. 

sexta-feira, 24 de maio de 2013

quarta-feira, 15 de maio de 2013


Democracia liberal brasileira: A democracia representativa deixa as decisões nas mãos dos representantes eleitos, da influência dos empresários, do FMI, enfim... não participamos das tomadas de decisões, assim vamos aprendendo desde sempre, alguém decide e faz por nós. Mas depois julgam a juventude brasileira de apática, de não atuante e nada participativa. Dificilmente se faz o que nunca se aprendeu, vivenciou, viu ou experimentou. Uma grande farsa!

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Mãe a casa da gente.

Naquela casa sempre tem um chá quente, um café pronto, uma flor no jardim, uma calçada para varrer, um cachorro carente, um cobertor quente, uma comida gostosa, umas conversas altas, umas verdades difíceis, um sorriso fácil, umas lembranças esquecidas, a nossa foto no porto retrato (aquelas com as franjas de infância), uns puxões de orelha, um bolo feito, uma bergamota no pé, uns gritos altos, uns choros de riso. Lá naquela casa tem sempre tudo que precisamos, tudo que queremos, onde nos encontramos, é a casa, a casa da mãe da gente, acho que essa casa é o coração da nossa mãe, e da gente (minhas irmãs Carolina e Fernanda).

domingo, 12 de maio de 2013

Descobri, a puro penar, que não somos importantes, digo, verdadeiramente importantes para ninguém, qualquer um toca a vida sem você, basta um tempo de silêncio que os telefones não tocam, os emails não vem, a pergunta sobre como você está não rola. Não somos imprescindíveis, não somos especiais, não somos únicos, não somos amados como queríamos, quiçá amados, somos sós, somos matéria, somos frágeis e ninguém tem tempo para se preocupar com isso. 

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Desabafo!


"Não pense, trabalhe! Não reclame, oprima-se! Não chore, é fraqueza! Não goze, é luxúria! Não estude, cansa! Não questione, compre! Não durma, perde-se  tempo! Não revolte-se, precisamos de ordem! Não converse, não há tempo a perder! Não ame, enrijeça-se! Não perdoe, pise! Não peça, orgulhe-se! Sinceridade? Loucura! Não canse, acorde! Não descanse, produtividade! Não mude, desista! Não saboreie, engula! Não viva, morra! Consuma-se, destrua-se, deprecie-se, robotize-se e não nos perturbe!"

segunda-feira, 6 de maio de 2013

O que odeio que está em alta.

Moda! Consumismo! Consumo! Enfim... não farei nenhum discurso, apenas apresentar o que está em alta, algumas pessoas usam e eu odeio! 

Simplesmente não gosto! Desproporcional. 
Pior ainda!


Ridículo! Do tipo: Sou colonizada e adoro!

 Casaco ou Poncho? Melhor nem saber!
 Tênis ou salto? Eu hein! Saúde pra quê? Cafona!

Sem comentários! Nem me pagando!
Se alguém gosta, paciência, eu odeio!