Retalhos e Devaneios

Retalhos e Devaneios

Páginas

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

As vezes parecemos meros marionetes da vida, como se ela tivesse vontade e decisões próprias, indiferente das nossas vontades e ações. 

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

O que você lê está errado, 
O que você vê está errado, 
O que você quer não dá,
O que você sonha, não pode, 
Você age errado, 
Você pensa demais, 
O que você fala está errado. 
...
Onde se troca de ser? 

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Eu não sinto mais nada, 
meu coração empedrou, 
eu não sinto nada, 
minha vontade acabou, 
eu não sinto, 
minhas lágrimas secaram, 
eu não...
meus desejos cessaram,
eu,
eu?
Nem sei se posso mais usar eu...

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Devaneio da vírgula II

Pensando na vírgula, pensei na vida. Pensando na dificuldade da vírgula, pensei na minha vida. Em como as pausas no lugar errado me atrapalham, quanto tempo eu perco na dificuldade de tomar decisões, e vá vírgulas, isto é, e vá tempo dedicado a situações erradas. Do contrário o não uso da vírgula, me leva a impulsividade, ações rápidas, atitudes não pensadas, atropelo tudo. Gostaria de colocar a vírgula no lugar certo, fazer a pausa necessária, deixar o texto, digo a vida mais tranquila, corrente e clara! 

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Devaneio da vírgula,

Feliz quem sabe utilizar corretamente a vírgula! 
Usando-a corretamente o texto fica compreensível, comunica-se com mais clareza o que se pretende. 
Já aqueles, que como eu, tem dificuldade em utilizá-las corretamente, percebe-se as armadilhas do texto. 
Vão-se palavras pós palavras sem conexão alguma, lê-se com rapidez, mas a incompreensão faze-nos retornar várias vezes, por vezes desiste-se de compreender. Já ao contrário tornasse uma chatice, além de manter a incompreensão, a pausa exagerada e no lugar errado, nos impede de prosseguir e focar no que realmente interessa. A vírgula, corretamente utilizada, é invisível. A vírgula não utilizada é incompreensível. A vírgula, utilizada em demasia, passa a só ela ter vida. 

domingo, 3 de fevereiro de 2013

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Eterno Retorno.


"E se um dia ou uma noite um demônio se esgueirasse em tua mais solitária solidão e te dissesse: "esta vida, assim como tua avives agora e como a viveste, terás de vivê-la ainda uma vez e ainda inúmeras vezes; e não haverá nela nada de novo, cada dor e cada prazer e cada pensamento e suspiro e tudo o que há de indizivelmente pequeno e de grande em tua vida há de te retornar, e tudo na mesma ordem e seqüência- e do mesmo modo essa aranha e este luar entre as árvores, e do mesmo modo este instante e eu próprio. A eterna ampulheta da existência será sempre virada outra vez - e tu com ela, poeirinha da poeira!" Não te lançarias ao chão e rangerias os dentes e amaldiçoarias o demônio que te falasse assim? Ou viveste alguma vez um instante descomunal, em que lhe responderias: "Tu és um deus e nunca ouvi nada mais divino!" Se esse pensamento adquirisse poder sobre ti, assim como tu és, ele te transformaria e talvez te triturasse; a pergunta, diante de tudo e de cada coisa: "Quero isto ainda uma vez e ainda inúmeras vezes"" pesaria como o mais pesado dos pesos sobre teu agir". 

Nietzsche

Tu, tivestes em tua vida instantes descomunais, dos quais quisera repetir por toda a eternidade?

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

...e hoje eu espero, e amanhã esperarei, e ontem eu esperei, e antes de ontem eu esperei, mas uma hora vou cansar e não mais esperar...