Retalhos e Devaneios

Retalhos e Devaneios

Páginas

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Cabelo Cabeleira Cabeluda Descabelada

"...Quem quer a força de Sansão
Quem quer a juba de leão
Cabelo pode ser cortado
Cabelo pode ser comprido
Cabelo pode ser trançado
Cabelo pode ser tingido
Aparado ou escovado
Descolorido, descabelado
Cabelo pode ser bonito
Cruzado, seco ou molhado..." Gal Costa.

Então gente, amo cabelo, amo mais ainda mudar os cabelitchos, camaleão total.... adoro.....
Se estou loira,quero morena, se estou morena quero ruiva, se estou ruiva, quero comprido, se esta comprido eu quero é curto, mas se está curto, preciso que cresça logo, se está sem franja, corto a franja, mas tambem não sei qual o melhor jeito, aí vou tentando tudo, e pior tudo eu gosto e tudo não gosto, o lance é ir mudando. Então, tô nessa, semana que vem vou cortar ou colorir? Ou os dois? Mas como se gosto de tudo? Aqui algumas inspirações, alguém dá uma dica?!

Olha o corte da Olívia Palermo, Ah eu amo franja assim!

Esse da Malu Magalhães ta demais, tenho que admitir. Ai que vontade de tosquear minha franja assim, mas medinho de ficar ridícula. AAAHhhhh

Adorei o Loiro da Letícia Spiller.


Gosto desses todos da Nicole Richie.


Esses loiros da Jennifer Aniston é um arraso também.


Sabrina Sato eu não gosto, mas o cabelo ta bacana, o problema é que assim não dá pra ter a franja que tanto gosto.
Adoro essa franja da Olívia Wilde.



Gostaram? Me ajudem, deêm sua opinião a essa camaleoa desesperada! kkkk

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

PAZ E ARROZ!

"... eu quero PAZ, e ARROZ... AMOR é bom e vem depois..." _ sim depois, porque apenas um coração em paz e bem nutrido é capaz de amar.
Já pensou nisso?

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Devaneio de hoje: Carnaval o outro lado!

Ontem falei da chatice que é a obrigatóriedade em amar o carnaval, principalmente no RS, que é bem peculiar. Escrevi que a obrigatoriedade em gostar do carnaval é uma droga. No entanto não posso deixar de colocar o outro lado, quem não gosta de carnaval tem uma mania horrivel que é a de desejar que tudo desapareça, ei!!!Para aí!!! O carnaval brasileiro apresenta muitos problemas, o principal a nossa falta de limites, os gastos absurdos, etc. Mas só um pouquinho, como imaginar o Brasil sem carnaval? Ah não dá né?
Somos maravilhosos no quesito festas e criatividade, somos muito criatívos, nossa música, nossa ginga, nosso samba, nossos blocos, fantasias e tudo. Gostamos de festejar, gostamos de criar, isso pode ser mais saudável, menos frenezi, mas deixar de existir jamais. Obrigar a não gostar do carnaval também não dá. Volto a dizer, nos respeitemos.
Vanessa da Mata maravilhosa interpretando a inesquecivel Clara Nunes.

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Devaneios: esquizofrenia carnavalesca!

Que droga essa esquizofrenia carnavalesca! Eu sei, eu sei, e juro, eu respeito, há estados que o carnaval deve realmente ser maravilhoso, sei que as pessoas se preparam para ele o ano todo, sei que já está enraizado em sua cultura e origem, e deve realmente ter mil possibilidades. Mas aqui no RS é chato, muito chato, é esquizofrenico, não há uma cultura do carnaval, há a cultura do SOU OBRIGADO A FAZER ALGUMA COISA. Nessa época as pessoas não perguntam como você está, elas te perguntam assim: E aí vai fazer o que no carnaval? ou: E aí vai para a praia? e de despedida: Bom Carnaval pra vc pule muito. _ Pule muito? essa é a pior pergunta de todas. As opções aqui no Rio Grande do Sul são lamentáveis.
    O carnaval de rua, do qual não tem toda a tradição de outros estados, e, muitas vezes, é um show lamentável e um desperdício do dinheiro público. Sei que há comunidades que realmente vivenciam o carnaval, a festa, a organização, o trabalho ao longo do ano, mas aqui no Sul é a minoria. Há escolas ótimas, trabalhos admiráveis, mas quando se reduzem a reproduzir o carnaval do Rio de Janeiro acho estranho, infelizmente na maioria é um desperdício mesmo.
       A outra opção é se mandar para o litoral, que é a opção mais usada, porém além de nosso litoral ser realmente, lamentavelmente, feio demais, fica tudo incrivelmente lotado, pessoas se amontoam em barracas nas casas de parentes, gente, gente, gente e mais gente. E aí já viu, a obrigatoriedade em fazer algo faz com que a maioria dessa gente perca qualquer tipo de noção de ridículo, andam com seus carros com músicas a todo volume, bebem horrores, ficam com qualquer um ou uma. Eu nunca tinha ido para o litoral nessa época, mas o calor de quarenta graus obrigou-me, assim como a maioria, a ir rumo a praia, fui só para passar o dia, realmente comprovei: muita gente! Muuuuuitaaaa gente! Tudo bem eu não passei calor e tive um dia divertido, mas realmente muita gente, quando fomos embora vi as pessoas reclamando de seus vizinhos que colocavam as caixas de som na janela para a rua toda ouvir, que absurdo!
       Quem fica na cidade como eu, não consegue levar uma vida tranquila, só se fala em carnaval, só se questinona, ah porque não vai pular o carnaval? O calor aqui do RS neste ano veio para destruir qualquer possíbilidade de descanso, vc pode passar o dia deitado e continuará cansado, muito calor. Ir para o mato, fugir para outro país, algumas vezes já tentei ir a lugares alternativos, mas é difícil, somos uma humanidade, deixamos de ser indivíduos, no carnaval.
     Eu entendo que é o último feriado que temos antes de acabar definitivamente as férias, que o calor nos obrigada a fugir, mas isso poderia ser uma opção, jamais uma obrigação. E se formos fazer algo, indiferente do que, precisamos sempre respeitar o outro e o lugar que estamos, não dá pra fazer tudo, aliás tudo de ruim, sejamos nós mesmo, antes, durante e depois do carnaval. Não somos obrigados a nada, lembrem-se!

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Devaneio do dia: TRISTEZA!

Hoje eu ia escrever sobre meus devaneios sobre tristeza, aquela que martela o dia todo, que aperta o peito, que enche o olho, que nos faz suspirar de pena de nós mesmos, que joga o joelho no chão, a mão no rosto, o nariz para baixo... aquela que nos faz esquecer que um dia acreditamos ser felizes. Ia escrever que ela vai, mas sempre vem, que não nos abandona, que as vezes nos sufoca. Ia escrever que ela é muito desrespeitosa, não respeita dia, hora, condição, momento, ela chega e arrasa, sem agendar horário. Ia escrever que por mais equilibrados e bem resolvidos, quando ela vem consegue abalar tudo, vem e nos enche de dúvidas, de medos e até do escuro tememos. Ia escrever que com ela não tem maturidade nem idade, do feto ao idoso o sentimento dói igual. Ia dizer que ela nunca vai sozinha, a tristeza vem sempre acompanhada da solidão, do medo e do delírio. Não há sorriso nem lágrima que a amedronte e só o tempo pode com ela. Ia escrever, mas lembrei dessa música e desisti, preciso parar e curtir minha tristeza, não que eu goste disso, mas ela passou o dia inteirinho clamando por atenção, eis que a hora chegou.
A Felicidade
Vinicius de Moraes

Tristeza não tem fim
Felicidade sim

A felicidade é como a pluma
Que o vento vai levando pelo ar
Voa tão leve
Mas tem a vida breve
Precisa que haja vento sem parar
A felicidade do pobre parece
A grande ilusão do carnaval
A gente trabalha o ano inteiro
Por um momento de sonho
Pra fazer a fantasia
De rei ou de pirata ou jardineira
Pra tudo se acabar na quarta-feira
Tristeza não tem fim
Felicidade sim
A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranqüila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor
A felicidade é uma coisa boa
E tão delicada também
Tem flores e amores
De todas as cores
Tem ninhos de passarinhos
Tudo de bom ela tem
E é por ela ser assim tão delicada
Que eu trato dela sempre muito bem
Tristeza não tem fim
Felicidade sim
A minha felicidade está sonhando
Nos olhos da minha namorada
É como esta noite, passando, passando
Em busca da madrugada
Falem baixo, por favor
Pra que ela acorde alegre com o dia
Oferecendo beijos de amor

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Ainda na Saia Justa!

Mulheres, todas, ainda continuamos na saia justa! Vou explicar, as vezes perdemos a noção das coisas e pensamos que alguns hábitos sociais, melhoraram, evoluiram ou estão sendo superados, infelizmente alguns é puro engano, o MACHISMO, o abuso contra as mulheres não, ele não foi superado, apenas disfarçou-se, mas lá está. Homens continuam partindo contra mulheres como animais no cio, como se, alíás, tivessem obrigação, dever de assim agir.
Meu modo de vestir acabou me enganando um pouco, costumo andar na rua, quando sozinha, de saia longa, vestido longo, batinhas, porque acho confortável e como no trabalho não combinaria eu ir de saia curta, dificilmente as uso, mais em uma festa, etc, sempre com amigos, marido, colegas, efim. Perdi a noção de como as mulheres são bruscamente abordadas na rua, esses dias, nas férias, me deu vontade de tirar uma saia do fundo do ármario, o calor pedia. Coloquei, gostei, optei por um saltinho e sai até um café, três quadras da minha casa, na luz do dia. Sério, achei que não ia chegar até lá sem ter que brigar ou pedir socorro a alguém. Tive que ouvir  palavras grosseiras, aturar esbarrão, olhares, enfim, um desrespeito, uma grosseria sem igual. Cheguei no café me sentindo muito mal, fiquei realmente perplexa com a sociedade que vivemos, usar uma saia mais curta é como se pedíssemos para sermos desrespeitadas, depois falam mal das burcas, o que é isso? Será que só somos respeitadas se escondermos nosso corpo? Será que ainda se vendem a idéia que a mulher "pede para ser abusada"? Até quando vamos criar homens como touros e mulheres como produtos?
Indiferente da roupa, da condição social, da sanidade mental, do lugar, do compartamento, do comprimento da saia, do país, do tamanho da bunda, do trabalho e aqui insiro as prostitutas, todas nós somos dignas de respeito. E homens deixem de ser ridículos nenhuma mulher que não esteja sofrendo grave problema emocional, ou algum trauma, gosta de piadinha na rua, temos nojo, nojo, porque o machismo e o abuso é nojento! Saiamos da saia justa, mesmo quando curta, e sim, justa!
Essa imagem de uma passeata, não sei qual ao certo, andou rolando no face, se alguém sober de quem é os créditos me passe, não gosto de postar imagens que não são minhas sem dizer a fonte. Me passei porque ela tem tudo a ver com o assunto e eu adorei a idéia dessa menina, é bem isso mesmo, respeito é o que queremos.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

A CASA DA GENTE II

       Aff, praticamente acabou minhas férias! Não estou em depressão, juro que não, animádissima? Óbvio que não, hipocrisia nunca foi meu forte. Mas efim, dessa vez não estou desesperada e aflita, na verdade só penso em suícidio, hehehe tá mentira, brincadeira, hehehe estou tranquila. Sério, estou tranquila, finalmente consegui me organizar para aproveitar o tempo, e isso me deixou em paz, paz comigo e com o mundo, sensação de missão cumprida, do tipo: eu fiz o que pude. Nos outros anos voltava desanimada e cansada, pensado, m... não fiz nada e estou voltando.
        Enfim, de tudo que fiz, viagem, reclusão, caminhadas, saídas com as amigas, namoro com o marido, família, leituras, artesanatos, etc, o que mais me agradou, pelo incrível que pareça, foi ficar na minha casa, digo, no meu apertamento. Isso mesmo, curtir meu lar doce lar, com tempo, cuidar dele, aguar as plantas, escolher as verduras, arrumar armários. hahaha sentimento rupestre eu diria, nostalgico e minimalista. Porém capaz de transformar, curtir a minha casa me encheu de tranquilidade.
         Há um tempo postei aqui meu incômodo quando as pessoas reclamam de ficar em casa e se sentem sozinhas, isso me incomoda porque é óbvio que não se reconhecem no seu espaço e isso é um problema. E não adianta colocar a culpa na casa, no bairro, no lugar, problema serve só pra ser resolvido.
         Olha minha casa é um apertamento, estou aqui de passagem e mesmo assim quero curtir ao máximo o tempo que aqui for viver, porque aqui é parte de mim, da minha vida, da minha história e transmite o que sou. Hoje a tardinha não resisti, limpei a casa, acendi um incenso, coloquei uma música e estava sentada olhando ao redor e a satisfação veio, que férias maravilhas, que recanto lindo eu tenho, como sou privilégiada, daí corri e registrei minha oca, minha casa, meu lar, meu ap, meu espaço, enfim, este lugar que me faz tão bem.
Aqui compartilho meu espaço, então mto ou pouco de mim! : )












domingo, 5 de fevereiro de 2012

Devaneios: Chuva!

Depois de um dia com temperaturas acima dos quarenta graus na selva de pedras, nada, nada mais abençoado que uma chuva forte e permanente. A maioria das pessoas, não sei porque, reclamam tanto da chuva, eu tenho adoração, dormir, observar, tomar um banho, saber que os rios encheram, que as plantas terão vida e eu também, me enche de alegria. Chuva lava, chuva limpa, chuva refresca, chuva renova, chuva para mim, não é só um fenômeno maravilhoso da natureza, mas um estado de espírito, um forma de entrar em contato comigo e com a natureza. 
Hoje após a tempestade saí pra caminhar, ela caia de leve, poucas pessoas no trajeto que fiz, sentimento mais que lindo! 

sábado, 4 de fevereiro de 2012

"... eu ponho os óculos e vejo tudo bem..."

Ah todas(os) amamos a música do Paralamas, quem nunca se revoltou com seu oculos de grau? Se sentiu péssima(o) com ele ou sem ele? Eu não gosto, coloco o óculos me olho no espelho e nossa não sou eu, é a minha mãe refletida! Vamos de lentes de contato então, mas as lentes, pois é, maravilhosas, mas tem aquele dia que dá preguiça só de pensar em colocá-las, tá é facil, mas as vezes a preguiça é maior, não queremos lentes precisamos é do óculos. E aí a aparência? Então vamos pensar as possibilidades, há lindas armações, legais, modernas, e bacana a moda tem se preocupado um pouco mais com os óculos de grau, afinal estamos cada vez mais ceguetas e miopes, nada mais justo. Aqui juntei alguns que gostei para servir como inspiração.
No entanto confesso, uma coisa é ver aqui, outra é quando colocamos no rosto. Ah! quem tem rosto fino como eu sofre, sofre muito, sonhamos com aquele óculos grande, moderno, alternativo e quando nos olhamos, ai que triste, não dá. Fui comprar um, comecei dos maiores, digo, enormes, e acabei comprando um minúsculo. Porque o rostinho não ajuda, e dica para óculos, não força a barra, mesmo que teu estilo seja diferente, aquele óculos que parece que anda sozinho, não dá. Procura com calma e seja realista.
 Eu gosto muito dos modelos vintages!
Modelos Gatinhos, foi o que comprei, claro o meu mais discreto, só tenho um, não dá pra ousar demais, esperem o segundo, gosto porque fica legal pra rostos como o meu finos.
Modelos wayfarer, bem descolados, mas exigem rostos mais largos.
Aviador: O meu preferido, acho lindo!




Redondos: Os redondos são uma graça, eu prefiro os maiores, pra não ficar com aquele aspecto Jonh Lennon ou Harry Potter.




Bom aí estão as inspirações, porque dá pra ser míope e se sentir bem!


sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Devaneio do dia!



Junte os cacos, com eles construa a ponte que te levará ao outro lado...

Juliana Fraga